segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Cupido

Estão em filas paralelas no Banco. Olham-se de relance.
Ela pensa: Parece simpático
Ele avalia: É gostosa.
- Tem um rosto diferente.
- Tem uma boca bonita.
- Tem uma bundinha bonita, ela pensa.
- Os peitos são deliciosos
- Os olhos são lindos.
- Que olhos !
- Podia me dar um sorriso.
- Se me desse uma bola, imagina ele.
- Poderia morar ou trabalhar por aqui.
- Quem sabe seja do pedaço.
- Bonito, assim, deve estar cheio de mulheres.
- Deve chover homem ao seu redor.
- Nem vai me ver.
- Não vai nem me notar.
- É uma pena, é um gato.
- É uma pena, ela é um tesão.
Nesses devaneios chegam na boca do caixa. Pagamentos, cheques, depósitos.
Ela com os documentos em uma pasta.
Ele pondo o troco no bolso.
Saem cada um por uma porta.
Perderam uma grande chance.
Na rua um esbarrão, a pasta dela cai ao chão e ele à pega.
- Obrigada.
- De nada. Você não estava na fila do banco ?
- Sim.
- Trabalha por aqui ?
- No 344,  ela responde.
- Que coincidência, eu dois prédios depois.
- Meu nome é Paulo e o teu ?
- Carla
E lá se vão rua abaixo conversando.
Num canto invisível aos olhos humanos, um cupido sorri e diz para si: Ainda bem que desta vez não errei os alvos

Nenhum comentário:

Postar um comentário