sexta-feira, 1 de julho de 2011

Questões de Matemática

Um professor da rede estadual de Santos, em São Paulo, é passível de ser processado por apologia ao crime ao passar a alunos do 1º ano do ensino médio exercícios que citam temas como tráfico, prostituição, uso de armas de fogo, etc.
Relatamos alguns dos exercícios apresentados:
“Durante uma rixa entre gangs, Maifrende disparou 145 balas com uma pistola 45 automática, acertando oito pessoas. Qual é o percentual da eficácia dos tiros?”
“Sapão é preso por traficar crack e a sua fiança foi estabelecida em R$. 12,5 mil. Se ele pagar a fiança e os honorários do seu advogado (que reclama 12% da fiança como pagamento dos seus serviços) antes de fugir para a Bolívia, qual será o total da despesa?”
As outras perguntas seguem essa linha, envolvendo, quantidade de pó de giz, a ser agregada em heroína, para garantir um determinado percentual de ganho.  Quanto uma prostituta deve cobrar de seus clientes para garantir ao seu cafetão um ganho correspondente a uma pedra de crack.
Acreditamos que o objetivo do professor tenha sido que os alunos respondam questões que façam parte da realidade de sua comunidade.
Claro que os temas são chocantes, porém o fato é que rodeiam a vida desses garotos.
Propomos a este professor, assim como, a outros que queiram seguir o seu exemplo, a utilização de temas que pertencem ao nosso dia a dia, mas que não chocam tanto como estes.  Temas que tem uma aceitação maior.  A seguir damos um exemplo de questão a ser feita:
“Uma obra a ser realizada por um órgão público custa R$. 1.500 mil. A empreiteira tenciona ganhar 30%, os administradores do processo no órgão público 15%, o político que aprovou o orçamento 10%. Por quanto a obra deve ser licitada?
RESPOSTAS:
A) R$. 2,4 mil
B) R$.3,3 mil
C) R$.3,6 mil
D) R$.4,1 mil
E) Nenhuma das anteriores
A resposta certa é B.
Entretanto, recomendamos que  respondam  E, pois, R$. 1.500 mil é o valor para lançamento da licitação, depois, sofrerá vários aditivos para que seja aumentado.  Alguém do ”establishment” saberá da licitação e vai querer tascar a sua parte.  Além do mais, depois do serviço feito, a empreiteira poderá ter dificuldades para receber.
Portanto, não dá para responder com precisão o valor.
Professores, questão como essas, envolvem a realidade do país, mas não chocam, como as propostas pelo professor de Santos. 
Avaliem nossa sugestão. Estamos à disposição para apresentar novas perguntas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário