quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Abutres

Quando das grandes chuvas em São Paulo, uma pessoa me informou que a casa de seu pai, fora interditada em razão do desmoronamento da casa da frente, apesar de nada ter acontecido a dele. Entretanto, havia riscos de novos desbarrancamentos.
Perguntei como estava seu pai.
- Bem graças a Deus. Não aconteceu nada a ele e nem a mãe.  Mãe está morando em casa de meu irmão e pai em minha casa que é perto da dele.  Porem, ele passa o maior tempo junto a sua casa, mesmo de noite.  Está dormindo ao relento.
Admirado perguntei o porquê.
-É por medo de invasão. Que roubem o pouco que tem.
Pouco depois, li notícias de saques em supermercados e invasões em casas na região Serrana do Rio de Janeiro, onde houve as catástrofes.  Roubos de doações.  Cobranças extorsivas por um galão de água nos mercados, preços absurdos por aluguéis de casas.
Em vez de ajudarem os seus vizinhos, prestando solidariedade, alguns indivíduos, sem caráter, se aproveitavam da situação.
Penso, por que são assim? 
Terá o homem os genes do mal dentro de si?
Pode ser, mas, basicamente o homem é fruto do seu meio e da sua educação.
A educação adquirida nos bancos escolares é bastante falha.  A que vem de casa, pela falha da educação dos seus pais, também o é.
Exemplos, que é outro moldador de personalidade, falho, por parte dos pais e da sociedade.
Pela sociedade, sim.  Em um país que valorizou, por um bom tempo, a “lei de Gerson”, que adveio de uma propaganda de cigarro feita pelo ex-craque, em que o importante era levar vantagem.
Onde não se escreve o que os grandes mandatários dizem. 
Onde políticos são pegos com a boca na botija, em momentos de corrupção e nada acontece. 
Onde o caixa dois é política usual.
Onde para o povo o que vale é: Rouba, mas, faz.
Onde os que são expurgados por serem flagrados, no dia seguinte estão de volta, abraçados, afagados, valorizados.
Onde os ladrões, os corruptos, os incompetentes, assim chamado no passado, hoje, por novos interesses se tornam em parceiros, em baluarte da democracia.
Onde, onde, onde.....
Passaremos o tempo a falar da falta de ética.
Quando alguém faz algo de honesto, como encontrar o dinheiro de alguém e o devolve, é aplaudido, louvado. Quando nada mais deveria ser que o cumprimento do correto, do honesto.  Há muitos que o chamam de trouxa.
Com todos esses exemplos que vem da sociedade, o que podemos esperar, quando a ética deveria prevalecer nos momentos de tentação?
Temos que batalhar por ela.  Não só, ao não comprar produtos piratas, sem nota fiscal.  Mas, sim em não aceitar maus políticos que são pirateados como estadistas.  Mandatários que possuem nota fiscal duvidosa, falsa e quando não, sem nota fiscal.
Precisamos punir os que mentem os que falseiam a verdade.  Os que descaradamente roubam o que é publico, no próprio ato de roubar ou na incúria dos seus procedimentos.
Dizem que um país tem o governo que merece.  Na verdade, em nosso país, o correto e dizer que os governantes têm o país que desejam.
Povo inculto, para que com poucas palavras possam enganá-los.
Pobres, pois, com uma esmola os transformam em massa de manobra.
Lenientes com a ética, para que aceitem com facilidade a falta de correção de seus atos.
Roubam o que temos de mais importante: a moral e a ética.
Muito dos homens que deveriam ser o exemplo, são os grandes ABUTRES do nosso país.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário