sábado, 19 de março de 2011

Desejo


A noite está quente. Ele não consegue dormir. Resolve sair para a varanda.

Ouve barulho de água se movimentado na piscina. A luz interna está acesa.
Aproxima-se. Ela está nadando nua. Vê seu corpo se deslocando de um lado para o outro. Suas nádegas se movimentando. O pelo negro do púbis, a tatuagem nas costas. Os seios enrijecidos pelo frio da água, o contorno esbelto do corpo.
O batimento do seu coração se acelera. Sente o sangue correndo mais rápido nas veias. O tesão toma seu corpo.
Quando ela percebe, assusta-se, e envergonhada esconde o corpo aproximando-se da beirada.
- Estava quente e não conseguia dormir. Vim até a piscina e resolvi nadar. Só que não estava de biquíni.
- Vou fazer o mesmo que você.
Principia a tirar a camisa.
- Não. Não faça isso. Você sabe como pode terminar. Vou sair.
Ele vê o contorno da vagina, quando ela sai da piscina.
Seus dentes se contraem, sua boca se enche de desejo, suas narinas se dilatam como que sentindo cheiro de sexo.
Ela pega a camisola, que estava no chão e coloca a frente do seu corpo, cobrindo parcialmente sua nudez.
Na cabeça dele passa a vontade de lhe arrancar a camisola. Aproximar seu corpo, buscar sua boca, deitá-la no chão e ao luar possuí-la.
Como que adivinhando o que vai em seus pensamentos, ela diz:
- Vou entrar.
Ele a observa se retirando. O doce balanço das suas nádegas, a marca do biquíni, da tatuagem, o branco do corpo, a lateral do seio, até que se escondendo do luar, adentra na escuridão da casa.
Ele vira-se para a piscina e se joga de roupa e tudo.
- Preciso esfriar a cabeça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário