sexta-feira, 29 de abril de 2011

Filho da Puta

"Meu filho, que na ocasião tinha 23 anos,  me ligou:
- Pai, um moleque bateu no meu carro. Vinha a toda e no cruzamento acertou a lateral traseira do meu carro, estando totalmente errado. Corre pra cá que ele está sem documentos, tanto do carro como a carteira de motorista. Podemos dar uma fudida nele.
- Onde você está?
Estava a duas quadras de casa. Fui para lá.
Era um garoto, com uns quatro anos menos que meu filho. Começou a choramingar que saíra com o carro do pai às escondidas. Já conversara com seu pai pelo celular e este pedira que eu ligasse.
Meu filho me disse:
- Chama a polícia, vamos dar uma ferrada no moleque.
Eu como pai, vendo a situação do garoto, em que o susto da batida já estava lhe servindo de lição, topei conversar com seu pai ao telefone:
- Eu gostaria que o senhor viesse até aqui e acertamos a situação. Eu moro a cinco minutos daí.
Levando em conta que o pai daria uma boa reprimenda do filho, considerei a situação e concordei ir até sua casa.
Entrei no carro do meu filho e seguimos o rapaz. Meu filho voltou a me dizer:
- Você deveria ter chamado a polícia.
Expliquei as razões que me levavam a tomar aquela decisão.
Chegando ao prédio em que morava, estacionamos do outro lado da rua. Seus pais estavam no portão esperando. Tão logo encostamos, a mãe correu em direção ao filho e lhe deu os documentos. O pai veio falar comigo:
- Vamos para a delegacia fazer um BO e cada um cuida do seu prejuízo.
- Você me pediu que viesse para solucionarmos a situação. Caso eu chamasse a polícia o seu filho estaria em uma situação bastante complicada. Resolvi, como pai, atender a tua solicitação. Agora você me vem com essa conversa de irmos à polícia?
- Vamos para a delegacia fazer um BO.
- Você nota o exemplo que está dando ao seu filho e ao meu? Eu vim até aqui no objetivo de te ajudar e ao teu filho, atendendo a solicitação de um pai e você me faz de idiota?
- Vamos para a delegacia. – insistiu, sem mais nada dizer.
Meu filho a tudo presenciou.  Entramos no carro e seguimos para a delegacia. Ele me falou:
- Pai, você deu uma de trouxa.
Aquilo doeu mais que doeria o conserto do carro."

Contei esta estória a um amigo durante almoço e acrescentei:
- O sujeito estava, naquele momento, educando seu filho a ser um filho da puta. Um exemplo desses, só pode vir de um indivíduo que também é um filho da puta. Meu filho, toda vez que comentamos este fato, diz que fui tonto.  Todas às vezes, tenho que explicar as razões que me levaram a fazer o que fiz.
Meu amigo ponderou:
- Você hoje está aqui, comigo, comendo uma comida maravilhosa e bebendo um vinho bom. Tem uma vida profissional e familiar boa. Seus filhos são ótimas pessoas. Pode crer que esse sujeito, muito provavelmente, já deve ter colhido o fruto dessa semente.
Ele tinha razão nessa ponderação. Pensei, entretanto, quantos péssimos exemplos temos em nosso país, no simples desejo de se levar vantagens?
Muito dos nossos mandatários, políticos e outros homens públicos, que deveriam servir de modelos, mentem, distorcem a moral e a ética, no objetivo de atenderem os seus interesses. Que exemplos estarão dando ao nosso povo? O DE SEREM FILHOS DA PUTA?






Nenhum comentário:

Postar um comentário