quarta-feira, 6 de abril de 2011

Filhos

As mulheres se sentem mães desde o momento que se sabem grávidas.  Nós homens, somente quando vemos aquele pequeno ser na nossa frente é que realmente sentimos o peso de sermos pais.
Tratamos de proteger, amar incondicionalmente. Queremos o melhor, mais do que pudemos ter. Tentamos aplainar os caminhos para que não sintam dificuldades, para que não tropecem.
Pegamos pelas mãos e os levamos para o que consideramos ser o melhor.  Somos responsáveis pelo que de bom e de ruim acontecer. Tentamos fazer o melhor.
Chega a adolescência e tentam assumir as suas decisões.  Pela pouca idade e nossos receios impomos a nossa. Momentos de conflitos.
Quando adultos, tratam de trilhar os seus próprios caminhos. Claro fica que passam a colher o fruto das suas decisões, seja qual for ele. Só nos resta estar por perto para aconselhar, apoiar e torcer.
E chega a vida com suas chibatadas, com suas armadilhas, com seus falsos encantos.
Buscam seu novo equilíbrio, as suas novas respostas. Às vezes se vêem obrigados a trilhar caminhos pedregosos que machucam os pés e dificultam a caminhada, fazendo-a mais longa e dura.
A nós, só nos resta permanecer com a mão estendida para que possam nela se apoiar, nosso colo para que possam descansar, nossas palavras para dividir as incertezas e nossos olhos para que, escondidos, derramemos, também, as suas lágrimas.

6 comentários:

  1. Eles vem e vão mas no final sempre vão voltar para os braços dos pais...

    ResponderExcluir
  2. Pai tem que parir também, diariamente, esse amor profundo por seres imperfeitos que são os filhos, como qualquer ser humano. Só assim para poder manter a mão sempre estendida para alcançar a nossa, mesmo quando estamos nos buracos mais enlameados. E a gente até se envergonha por espirrar sujeira em alguém tão querido, por conta de decisões erradas ou da maldade de terceiros. Mas se ninguém está livre desses escorregões doloridos, que, da próxima vez, possamos chorar juntos, não só as lágrimas do filho, mas as nossas lágrimas.

    ResponderExcluir
  3. Paizão! Sempre foi e sempre será.Logo trermos um texto de vovô Babão.
    Te amo!

    ResponderExcluir
  4. Li "Filhos" e gostei, acho que é uma síntese de tudo o que passa dentro de nós que somos pais.


    Carlos

    ResponderExcluir
  5. Ter um colo para chorar e em quem se apoiar quando bate aquela dor inexplicável é oque dá a força e orgulho em dizer: Pai que bom que tenho você! Outro dia , conversando ao telefone com meu pai que mora longe - Blumenau (SC), Em um momento especial da nossa conversa ele me disse:
    Filha, vou ser avó pela primeira vez e por conta disso sinto tanta felicidade por ter tido você ... vem logo trazer essa barriga pro pai ver!
    Senti o quanto temos que agradecer e aproveit-los em vida, cada dia mais .....

    Lu Heringer

    ResponderExcluir