segunda-feira, 18 de abril de 2011

Metamorfose

                              Sou tudo, sou nada, sou a natureza que se espraia.
                               Terra, água e fogo. Sou diverso.
                               Sou dor e alegria, pois em momento rio, em outro choro.
                               Sou eterna procura. Quando chego, reinicio.
                               Há momentos que não me conheço,
                               Em outros sou um antigo amigo.
                               Não sou hoje o ontem e amanhã não sei.
                               Sou minha própria transmutação.
                               Serei completo e único quando morrer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário