terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Quadros e Retratos


Muitos viajam o mundo, visitando museus, para se verem frente a frente com quadros famosos.  Compram revistas ou livros especializados com objetivo de apreciarem boas fotos.
Entretanto, há muitos quadros e fotos em torno de nós, que possibilitam essa apreciação.
Veja a saída de uma escola.  Os sorrisos das crianças, seus rostos plenos de alegria.  As mães recebendo as crias, como se fosse o primeiro momento da maternidade.
O pai e o filho com a mesma camiseta do time.  A mão do pai segurando a dele.  A confiança deste na figura paterna.  A troca de palavras.
Jovens em uma lanchonete.  Seus risos soltos.  Os olhares, as brincadeiras.  O comentário das meninas no ouvido uma da outra.  Os meninos se mostrando de uma forma desengonçada, atabalhoada.
O casal de idade, mãos dadas, andando a sua frente.  Silenciosos, bastando o olhar, pois, um universo de palavras e gestos existem em suas vidas.
O trabalho rápido e ruidoso dos lixeiros para terminarem sua tarefa.
A linda mulher que se senta a sua frente com formas e rosto perfeitos.
Uma Mona Lisa dos nossos tempos.
O rapaz com seu olhar firme, como se vislumbrando o amanhã. Carregando nos ombros o futuro.
A árvore retorcida na esquina, as flores em um alpendre, a outonal cor das folhas.
O varredor de rua formando uma pessoa isolada no meio da multidão.

Há, também, os quadros que não espelham beleza, mas, a verdade da vida.
Quando expostos em museus nos fazem refletir.
O indigente dormindo entre trapos e papelões, numa forma suja, multicolorida e desfocada.
A criança suja, com seu rosto emplastado no vidro do carro, nos pedindo algo.
O malabarista da esquina.
O velho com o rosto marcado de dores e com um olhar sem o brilho do amanhã.
O trabalhador no ônibus a caminho do trabalho, com a expressão cansada do dia que mal começou.

A vida nos propicia a todo momento quadros, fotos que quando expostos em paredes ou em páginas de revistas, nos encantam ou nos fazem pensar.
Eles estão a nossa frente, a todo instante.  Basta olharmos com os olhos do sentimento.
Nos farão rir, emocionar ou entristecer. Alguns nos farão querer ficar olhando, outros, virar o rosto.
Quem dirá a beleza ou a feiúra que há nelas serão as nossas emoções.
A tristeza e alegria são filhas dos mesmos pais, só que uma não vive com a outra.
Está em nós adotar a que nos fará melhor.

Um comentário:

  1. "O olhar, espelho do mundo, janela da alma".
    Marilena Chauí
    Boas viagens sempre!

    ResponderExcluir