sábado, 15 de janeiro de 2011

O Malabarista

Ele malabarava no farol.   Os pinos volteavam no ar como pássaros.
Uma leve maquiagem esbranquiçada, lábios borrados de vermelho e as sobrancelhas enegrecidas.
Os olhos e o sorriso pareciam querer escorrer do rosto a cada movimento, enquanto o cabelo desgrenhava a imagem.  
A roupa larga balançava no corpo. Dava a sensação de flutuar no asfalto.
Um Carlito urbano destoando dos carros, do transito, do burburinho.
Seu leve movimentar era descompassado em relação ao ritmo em volta.
O tempo: um piscar de luzes.
Vermelho: começar.
Amarelo: coleta dos reconhecimentos.
Verde: um gracioso adeus.
No canto, ao fundo, uma garrafa e um cigarro sob o parapeito de uma mureta.
Intervalo de descanso até a próxima apresentação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário